segunda-feira, 31 de maio de 2010

Santana escala Nas, Joe Cocker e Chris Cornell para seu próximo disco

2 comentários
O guitarrista Carlos Santana divulgou a lista de colaboradores para o seu próximo disco dedicado a covers de clássicos do rock. Segundo o site contactmusic, o grupo é formado pelo rapper Nas, os cantores Joe Cocker e Chris Cornell (Audioslave, Soudgarden) e o tecladista Ray Manzarek (The Doors).
Ainda de acordo com o site, Nas vai participar de “Back in black”, do AC DC, Cocker canta “Little wing”, de Jimi Hendrix, e Cornell ataca em “Whole lotta love”, do Led Zeppelin.
Já Manzarek se junta a Santana numa reinterpretação de “Riders on the storm”, do Doors. O guitarrista afirma que a sua versão é “realmente diferente e psicodélica”.
À revista Rolling Stone, o guitarrista afirmou que seu novo disco foi feito para as mulheres: “Eu presto atenção especial para o groove, por isso elas devem ficar excitadas”.

Fonte: G1 Pop & Arte

"Shrek" fatura US$ 43 mi e bate "Sex and the City 2" nos EUA

0 comentários

As audiências dos cinemas norte-americanos neste final de semana estão demonstrando mais apetite por "Shrek" do que por sexo.

A sequência "Shrek Para Sempre" se posicionou como o filme mais assistido pelo segundo final de semana consecutivo, com bilheteria total de US$ 43,3 milhões de sexta-feira (28) a domingo.

A bilheteria doméstica total do filme nos EUA até então é de US$ 133,1 milhões.

Já "Sex and the City 2" ficou em 2º lugar, com bilheteria de US$ 32,1 milhões em sua estreia --e que ficou abaixo da estreia do seu predecessor, cujo faturamento de estreia foi US$ 56,8 milhões há dois anos.

Junto com os US$ 14,2 milhões faturados no primeiro dia de exibição (quinta-feira), o filme já faturou um total de US$ 46,3 milhões.

Em terceiro lugar, ficou o filme "Prince of Persia: The Sands of Time", longa inspirado no clássico game, cuja bilheteria total foi US$ 30,2 milhões.

Fonte: Folha Online/Ilustrada

sábado, 29 de maio de 2010

De Kinks a Wolfmother, G1 lista 15 discos para entender o hard rock

0 comentários
Quando Dave Davies, guitarrista do grupo britânico The Kinks, pegou seu instrumento em 1964 para gravar os três acordes distorcidos e o solo endiabrado de “You really got me”, não imaginava que estava dando à luz um novo estilo musical.
Quase meio século e uma longa lista de bandas depois, o hard rock segue firme como um dos gêneros mais sólidos do rock, seja recrutando novos adeptos por meio da série de videogames "Guitar hero", seja arrastando fãs para shows lotados como o que o Aerosmith promete para este sábado (29) em São Paulo.
Filho direto das bandas mais barulhentas da chamada “invasão inglesa” dos anos 60 e dos grupos de garagem dos EUA da mesma época, o hard rock tem como algumas de suas características os riffs de guitarras eletrificados e pesados com inspirações de blues, os vocais gritados e, em muitos casos, a atitude explicitamente sexual de grupos como o Led Zeppelin, outro pioneiro do gênero. No início, hard rock e heavy metal eram rótulos que se confundiam, mas à medida em que a década de 70 avançou os gêneros foram se diferenciando – enquanto o metal passou a valorizar o peso e a velocidade, o hard rock mantinha sua forte influência blueseira de grupos como o Cream.

Fonte: G1 Música

Maria Gadú - só dá ela

0 comentários
A Som Livre e a Sony-BMG estão para fechar um acordo que envolve a nova sensação da MPB, Maria Gadu.

A Som Livre continuaria a exercer exclusividade sobre os lançamentos de CDs no Brasil, enquanto a Sony-BMG passaria a gerenciar a carreira da cantora em shows – inclusive no exterior -, negociação de patrocínios, venda de merchandising...

A Sony-BMG mudou sua razão social para Day Entertainment justamente para se habilitar a este novo tipo de trabalho.



Fonte: Coluna do Flavio Ricco

quinta-feira, 27 de maio de 2010

Novo clipe de Ivete Sangalo "Meu Segredo"

0 comentários
Para comemorar seus 38 anos, Ivete Sangalo lança novo clipe com a música "Meu Segredo":



Aerosmith comemora 40 anos de banda em turnê que passa nesta quinta-feira por Porto Alegre

0 comentários

Em uma rápida turnê pelo Brasil, o Aerosmith chega ao país para comemorar os 40 anos de história da banda no show "Cocked, Locked, Ready to Rock!". A primeira parada é em Porto Alegre, na noite desta quinta-feira (27). A banda se despede dos brasileiros no sábado (29) em São Paulo.

Porto Alegre recebe o Aerosmith no estacionamento da Fiergs, com estimativa de 19.200 pessoas para o show. Os portões estarão abertos a partir das 17h. A banda Santo Graau deve subir ao palco às 20h e o Aerosmith às 22h. A censura é 16 anos, mas jovens de 12 a 15 anos podem entrar acompanhados dos pais ou responsáveis legais.

Ainda há ingressos no segundo lote a R$ 140 (pista), R$ 250 (setor premium) e R$ 412 (setor gold) --o setor da arquibancada já está esgotado. As entradas estarão à venda na bilheteria da casa. A apresentação tem aproximadamente 1h40 de duração.

São Paulo
Depois de Porto Alegre, o Aerosmith segue para São Paulo, onde se apresenta no sábado (29) no Palestra Itália, o estádio do time do Palmeiras. Ainda há ingressos à venda por R$ 250 (pista), R$ 300 (camarote) e R$ 500 (pista premium) ---já estão esgotados para os setores arquibancada (R$ 150), cadeiras descobertas e avulsas (R$ 200), cadeira descoberta especial (R$ 220) e cadeira coberta (R$ 300).

As entradas estão à venda pelo site www.ticketsforfun.com.br, pelo telefone 4003-0848 e na bilheteria do Credicard Hall (av. das Nações Unidas, 17.955, Santo Amaro). No dia do show, a bilheteria do Palestra Itália abrirá ao meio-dia para venda de ingressos. Estudantes, idosos, aposentados e professores têm 50% de desconto no valor de qualquer setor.

A estimativa é de que 38.200 pessoas assistam ao último show. Os portões abrem às 16h, e o Cachorro Grande começa a tocar às 19h. O Aerosmith deve subir ao palco às 21h30. A censura é 16 anos, mas jovens de 12 a 15 anos podem entrar acompanhados dos pais ou responsáveis legais.

Com Steven Tyler nos vocais, Joe Perry na guitarra solo, Brad Whitford na guitarra base, Tom Hamilton no baixo e Joey Kramer na bateria, o Aerosmith faz outros shows na América do Sul e, na sequência, parte para a Europa.

Em março, a banda divulgou um vídeo no site oficial anunciando a turnê pela América do Sul. No vídeo em inglês, os músicos afirmam: "É o melhor do Aerosmith chegando para agitar o seu mundo. Nós estamos a caminho de Caracas, Bogotá, Lima, Santiago, Buenos Aires e São Paulo".

Centro das atenções da mídia tanto pelo programa de desintoxicação ao qual se submeteu como pela notícia de que tinha abandonado Aerosmith indefinidamente, o vocalista Steven Tyler diz no site que a banda voltou "a pedidos" e "mais forte do que nunca".


Fonte: UOL Música

Caetano Veloso será atração de festival de Jazz em Copenhague

0 comentários

O músico, cantor e compositor Caetano Veloso e o pianista americano Herbie Hancock serão as principais atrações do Festival de Jazz de Copenhague, que será realizado entre os dias 2 e 11 de julho, informou hoje a organização.

Na lista também figuram Diana Krall, Martha Wainwright, Joe Lovano, Joshua Redman, Marcus Miller, David Samborn, Dianne Reeves, Bill Frisell e Esperanza Spalding.

O festival, que chega a 32ª edição, terá mais de 1 mil concertos em dez dias, muitos ao ar livre e gratuitos, o que o transforma no maior festival de jazz da Escandinávia, assinalou um de seus responsáveis, Christian Dalgas, em uma apresentação para a imprensa estrangeira.

O programa inclui também uma seção específica denominada "latin side", com nomes como o porto-riquenho Eddie Palmieri, o colombiano Edmar Castañeda, a argentina Silvana Deluigi e o cantador espanhol Miguel de Tena.

A presença de músicos brasileiros é habitual no festival de Copenhague, que nos últimos anos incluiu nomes como Gilberto Gil, Milton Nascimento e Hermeto Pascoal.

Fonte: UOL Música

quarta-feira, 26 de maio de 2010

Capa de CD de Lady Gaga com modelo brasileiro é montagem

0 comentários

A foto em que o modelo catarinense André Ziehe, 27, aparece sem camisa e segurando Lady Gaga no colo em uma suposta capa do single "Alejandro", é uma montagem de uma foto original de David LaChapelle com o cantor Kanye West.

Em entrevista à repórter Janaína Meneghel, publicada pela coluna Mônica Bergamo nesta quarta-feira (26), André disse que não conheceu a cantora e não recebeu nada pelo uso de sua imagem.

"Zero milhões", disse ele sobre o cachê que (não) recebeu. "Nunca a conheci pessoalmente nem muito menos fotografamos juntos", afirmou.

Hoje, novamente ele falou sobre a imagem à reportagem: "Quem está na foto sou eu." Mas Ziehe disse que não foi contatado pela produtora da cantora, para falar dessa suposta capa. "Apesar disso, [a montagem que circula na internet] tem sido bom para minha imagem."

"O que sinto é não ter sido remunerado pelo uso da minha imagem no álbum."

Segundo o modelo, a imagem original dele é de um desfile que fez há um ano para Dolce & Gabbana, em Milão. A reportagem não encontrou a foto original do modelo.

A Folha apurou que a imagem foi feita por um fã chileno que faz montagens com fotos de artistas e publica em seu blog.

No entanto, segundo Juliano, do site Made in Brazil, o primeiro brasileiro a espalhar a notícia, a imagem veio de blogs e sites americanos, que identificaram o modelo.

Fonte: Folha Online/Ilustrada

Trilha sonora de "Glee" tira Justin Bieber do topo da "Billboard"

0 comentários

O terceiro volume da trilha sonora do seriado "Glee" estreou na primeira posição da parada de álbuns da "Billboard". O disco vendeu 136 mil cópias, de acordo com a Nielsen SoundScan.

Outra trilha sonora do seriado, a do episódio especial só com músicas da cantora pop Madonna, também tinha liderado a parada. A trilha tinha vendido 98 mil cópias.

A nova trilha foi batizada de "Showstoppers" e tem músicas da segunda metade da primeira temporada. Em novembro e dezembro, respectivamente, foram lançados os primeiro e o segundo volume.

Outra trilha sonora, com seis faixas, será lançada em 9 de junho, com o subtítulo de "Journey to Regionals".

No segundo lugar da parada, ficou o relançamento do álbum "Exile on Main St.", dos Rolling Stones, que foi relançado recentemente. O álbum vendeu 76 mil cópias.

Fechando o pódio, está o álbum "Brothers", da dupla Black Keys, que vendeu 73 mil cópias.

Na quarta posição ficou o disco "My World 2.0" --que liderava a parada na semana passada--, de Justin Bieber, e em quinto aparece "Distant Relatives", de Damian Marley e Nas.

Fonte: Folha Online/Ilustrada

Pai de Amy Winehouse vira cantor e lança CD com música de Tom Jobim

0 comentários
Já que Amy Winehouse está enrolando desde 2006 para lançar o sucessor de seu segundo álbum, Back to Black, outro integrante de sua família resolveu estrear sob os holofotes.

O pai da cantora, Mitch Winehouse, acaba de lançar aos 60 anos seu primeiro álbum, intitulado Rush of Love. No CD, o taxista que largou o volante para tentar a sorte como cantor interpreta canções como Please Be Kind, famosa nas vozes de Ella Fitzgerald e Frank Sinatra, e How Insensitive, versão em inglês de Insensatez, de Tom Jobim.

"Não estou explorando o talento de Amy para me destacar e ganhar em cima dela. O DNA musical sempre esteve em nossa família", garantiu Mitch em seu site oficial.

Fonte: Virgula. Clique a assista ao vídeo.

terça-feira, 25 de maio de 2010

Marina Elali: “Tive sorte e estava preparada”

0 comentários

A  cantora potiguar Marina Elali vive um dos grandes momentos da sua carreira. Da menina potiguar que escutava músicas do cantor conhecido mundialmente John Secada, hoje ela é a cantora Marina Elali que de fã se transformou em parceria musical do astro da música internacional, com o qual já fez até uma turnê no Brasil. Mas esse é apenas mais um capítulo na história profissional e de vida de Marina Elali. Sorte? Ela admite: não faltou. Mas também pondera, que no momento da oportunidade estava preparada. Uma preparação artística que passou por uma temporada de estudo em Boston, nos Estados Unidos, e por uma participação no programa Fama, da Rede Globo. Aliás, dezenas foram os cantores que passaram por esse programa, pouquíssimos foram os que conseguiram dar continuidade na carreira artística, como foi o caso de Marina Elali.

A artista potiguar já teve cinco músicas transformadas em trilha de novela da Rede Globo. Seria esse um fator determinante para carreira? “Uma porta abriu e todas as outras. É importante uma música em novela, mas também há pessoas que conseguem espaço sem ter música em novela. Por algum acaso, por uma razão do destino, essa foi minha história, aconteceu de Jayme Monjardim abrir essa porta para mim e depois outras pessoas terem me ajudado. Essa foi minha história”, afirma Marina Elali, que no próximo sábado fará show em Natal, onde apresentará o novo DVD. Aos que levantam a tese de lobby da gravadora Som Livre junto a mídia, a artista descarta e com simplicidade conta como foi que cruzou no caminho e no trabalho de diretores de novela, que terminariam conduzindo a sua música. “Eu tive a sorte de conseguir que Jayme (Jayme Monjardim, diretor da Rede Globo) ouvisse uma música minha que foi “Você”, foi minha primeira música. E aí Jayme se encantou. Na verdade eu mandei o CD por uma pessoa que conhecia o Jayme e não acreditou que ele iria ouvir. Ele ouviu, ele não me conhecia, e gostou”, lembra.

Fonte: Tribuna do Norte. Leia mais sobre Marina....

Cantora Lady Gaga faz exames para lúpus

0 comentários

Desde de que se sentiu mal no palco e teve que cancelar vários shows, citando o estresse como a causa de seu mal-estar, a cantora Lady Gaga, 24, tem ido a médicos para descobrir se tem alguma doença. As informações são da revista "People".

Agora, Gaga resolveu fazer um exame para lúpus, pois diz ter histórico da doença na família. "Eu tenho uma ligação muito pessoal com a minha tia Joanne, que morreu de lúpus", disse.

Apesar de afirmar que fez os exames, a cantora não revelou o resultado, pois disse que não quer preocupar seus fãs.

"Eu tenho palpitações e coisas assim. Mas está tudo bem. Deve ser do cansaço e algumas outras coisas", disse Gaga.

A cantora também reafirmou que não tem problemas para se alimentar e que não usa drogas. "Eu não uso cocaína mais, eu não fumo, eu tomo conta de mim mesma", disse.

Fonte: Folha Online/Ilustrada

segunda-feira, 24 de maio de 2010

Como uma pedra rolando, Bob Dylan chega aos 69 anos com muita criatividade

0 comentários
Nascido com o nome de batismo de Robert Allen Zimmerman, em 24 de maio de 1942, em Duluth, Minnesota, Bob Dylan mostrou desde o início da sua carreira um grande diferencial para compor de forma sofisticada e conseguir fazer algo popular; de sua maneira, pegou o folk, que aprendeu a gostar em sua época de universitário e uniu ao rock, que adorava na adolescência; tudo de uma forma única e original. Pioneiro deste novo universo folk-rock, o músico provou que uma voz potente não é requisito fundamental para ser vocalista, pelo contrário, fez de sua voz característica um novo instrumento. Dylan escreveu uma série de sucessos, e poucos percebem, mas é um dos músicos mais regravados do mundo, por artistas de todos os estilos e grau de importância, de bandas indies do underground a consagradas mega estrelas e todos os gêneros musicais, como por exemplo: Byrds, Jimi Hendrix, Rod Stewart, Bob Marley, Eric Clapton, Guns n' Roses e Rolling Stones. Dylan cresceu numa pequena cidade do Minnesota e foi no liceu que começou a tocar guitarra e harmônica, numa banda chamada Golden Chords. Em 1959, ingressou na Universidade de Minnesota, dedicando, no entanto, a maior parte do tempo a shows de violão e voz, que realizava em cafés. Depois de ter deixado o estudo para segundo plano durante um ano, o músico abdicou de vez do curso universitário e partiu para Nova Iorque, onde adotou então o pseudônimo de Bob Dylan, inspirado no poeta Dylan Thomas. O primeiro contrato discográfico foi assinado em 1961, com a editora Columbia e o disco de estreia saiu no ano seguinte. Um trabalho homônimo, que incluiu, na sua maioria, versões de canções folk tradicionais. O álbum seguinte, "Freewheelin' Bob Dylan" (1963), fez de Bob Dylan um cantor classificado do tipo protesto, por acharem sua posição política, pelas críticas que tecia à sociedade, através das suas letras, como a emblemática "Blowin' In The Wind". Sua reputação de cantor de protesto aumentou com o lançamento de "The Times They Are A-Changin'", em 1964, no entanto, Dylan que, paradoxalmente não falava de política, sempre deixava todos perplexos e, ainda em 1964, lançou "Another Side of Bob Dylan", um disco que mostrava seu lado mais introspectivo. "Bring It All Back Home", o primeiro disco a vender muito, chegou às lojas em 1965 e foi sucedido por uma longa tour que o levou à Grã Bretanha; esta aventura pode ser conferida no premiado documentário: "Don't Look Back". O alto nível de vendas dos seus discos e seu repertório de alto nível poético levaram uma série de bandas a recriar as suas canções, ajudando a mitificar cada vez mais sua figura; conta-se que mais de cem artistas regravaram Dylan só entre 1964 e 1966. No auge de sua notoriedade, Dylan enfureceu seus fãs puristas e amantes do seu folk rústico ao incorporar uma banda super elétrica, com guitarras e toda instrumentação do rock tradicional; foi tido como um traidor do movimento, mas por outro lado, ganhava novos adeptos que viam nas atitudes de Dylan um inconformismo revolucionário.

Continue lendo no Blog do Maia e ouça sucessos de Dylan

quinta-feira, 20 de maio de 2010

Valkyrias pegam carona nos shows dos popstars que vêm ao Brasil

0 comentários

Se existe alguém que realmente fica feliz quando grandes nomes da música pop anunciam shows pelo Brasil, esse alguém é o trio feminino Valkyrias. O grupo musical está ficando notório no país por “roubar” as apresentações de abertura dos concertos mais disputados de 2010.
Beyoncé, Akon, Nelly Furtado e o show paulistano desta quinta-feira (20) de Chris Brown são apenas alguns dos exemplos que tiveram como aquecimento uma prévia comandada por Selma Lins, Gabriela Nader e Débora Cidrak.
“Sério que estamos sendo reconhecidas como uma banda de abertura?”, sorri a loira Selma. “Se sim, pelo menos estamos por abrir para bandas internacionais muito legais, do mesmo segmento que o nosso”, completa.
As Valkyrias têm cinco anos e conta com a atual formação desde 2007. O projeto surgiu de uma parceria entre Selma, ex-vocalista da banda do “Domingão do Faustão”, e o empresário André Lazzarotto. Apesar do certo tempo de estrada, só agora, no final de maio, que será lançado o primeiro CD delas.
Ele terá faixas cantadas em português e em inglês, como já foi demonstrado nos singles “Dar certo” e “Feel good”. “Esse CD é como um filho: demorou nove meses para ficar pronto, mas está nascendo com todo o carinho do mundo”, brinca Débora.
O grupo tem estilo musical bem radiofônico, influenciado descaradamente pela música pop americana. Ao somar isso com o (belo) visual das meninas e ao fato de abrirem diversos shows importantes, as Valkyrias também ganharam um apelido preconceituoso: banda de empresário.
“Elas são talentosas, se não fosse eu elas teriam outro empresário certamente. Nós levantamos a bandeira pop, só no Brasil existe esse preconceito contra o que é popular”, rebate Lazzarotto, que afirma nunca ter gasto R$ 1 para incluir a banda nas turnês brasileiras de artistas internacionais como Nelly Furtado e Akon.
“Nós recebemos para nos apresentar. Tem gente que oferece até R$ 50 mil para abrir um show”, polemiza. “São os próprios artistas que nos aprovam. Eles veem nossas músicas, fotos, release... Tudo!”, concorda Gabriela.

Fonte: G1 Música

Ouça o resultado da reedição de "Exile on Main Street", clássico dos Rolling Stones

0 comentários
No começo de 1971, num momento tumultuado da carreira dos Rolling Stones, eles montaram um quartel general em uma casa no sul da França, para criar um dos discos mais importantes de toda história da música pop: "Exile on Main Street", um LP duplo que já foi relançado várias vezes, mas volta a ser editado com dez músicas inéditas, no que parece ser sua edição definitiva. Num país como o Brasil, cuja carga tributária é surreal, sabemos o que é trabalhar só para pagar impostos; como bons britânicos, que desde Robin Hood gostam de tripudiar com o tema, os Stones resolveram fugir do Reino Unido, uma vez que eram acossados pelo fisco; o paradeiro foi "Nellcôte", uma vila alugada pelo guitarrista Keith Richards, em Villefranche-sur-Mer (Costa Azul). Nesta época, Richards atravessava um de seus períodos mais críticos em relação à dependência de heroína e precisava de um refúgio. Dadas tantas adversidades, nada indicava que poderia sair algo bom neste disco (o décimo de estúdio do grupo), porém o disco do “exílio” foi maravilhoso e agora, a prova é definitiva, com o material bônus incluído nesta nova versão. As “sobras” são tão legais quanto o material da versão original e só provam que eles tinham canções demais para escolher, e na época, um disco duplo já era um luxo! Por ocasião do lançamento, o disco estourou e o single "Tumbling dice" estreou no topo das paradas. Desde então, este disco foi o mais apreciado pela crítica e consta obrigatoriamente nas listas dos melhores álbuns da história. O disco trouxe a mistura de rock, blues, country e gospel na medida exata, como nunca antes o grupo fizera. O disco foi produzido por Jimmy Miller, que já tinha trabalhado nos discos anteriores da banda. Os Stones, então, traziam, além de Jagger e Richards, o excelente guitarrista Mick Taylor, o baterista de sempre, Charlie Watts e o baixista Bill Wyman, que desistiu, voluntariamente, dos Stones em 1991; ainda, além da banda, estavam o pianista Nicky Hopkins e o saxofonista Bobby Keys.
Este disco consegue oferecer o mais puro e sincero rocK and roll e mostrar por que os Stones merecem a posição que têm no mundo da música. Para os fãs, mais uma vez, vale a compra (já devo ter umas quatro versões) e para os que ainda nunca tiveram, pode-se dizer que valeu esperar 38 anos!

Clique aqui para ouvir direto do Blog do Maia

Rock in Rio Lisboa começa nesta sexta-feira com show de Ivete Sangalo

0 comentários

A quarta edição do Rock in Rio Lisboa, um dos maiores festivais de música, começa amanhã com um show de Ivete Sangalo além da colombiana Shakira e do americano John Mayer.

O festival terá cinco dias - 21, 22, 27, 29 e 30 de maio - e deve ter mais de 60 shows nos quais participarão cerca de uma centena de artistas, entre eles o britânico Elton John, os alemães Rammstein e o trio inglês Muse.

Shakira retorna ao Rock in Rio português quatro anos depois para apresentar seu mais recente álbum, "She Wolf", no anfiteatro do Parque da Bela Vista, cuja capacidade máxima ronda os 90 mil espectadores.

Na sexta-feira também estarão presentes grupos e cantores portugueses como Azeitonas e Antonio Zambujo.

Sábado será a vez de Elton John se apresentar, precedido pela brasileira Maria Rita e Toni Garrido, assim como os portugueses Trovante.

A próxima semana será a vez do rock alternativo do Muse, da cantora norte-americana Miley Cyrus, dos alemães do Rammstein, dos escoceses Snow Patrol e da intérprete Amy Mcdonald.

Quem for ao Rock in Rio Lisboa vai poder ir ainda a um mini-parque de diversões montado no local com montanha-russa, roda-gigante e elevador de queda livre.

Desde sua primeira edição há 25 anos no Rio de Janeiro, o Rock in Rio se expandiu a cidades como Lisboa, onde é realizado pela quarta vez, e Madri. E não deve parar por aí. A organização pretende realizar o próximo festival na Polônia.

Fonte: UOL Música

quarta-feira, 19 de maio de 2010

Presença de Mick Jagger vira acontecimento no Festival de Cannes

0 comentários
A vinda de Mick Jagger ao 63º Festival de Cannes foi responsável por uma fila que se estendeu por um quarteirão inteiro da Croisette. Tinha espectador se estapeando para ver o mais famoso dos Rolling Stones. Segundo agências de notícias, o cantor teria chegado ao balneário na manhã desta quarta-feira. Sua vinda para a mostra francesa faz parte das atividades promocionais do documentário "Stones in exile", de Stephen Kijak, selecionado para a Quinzena dos Realizadores.

Neste ano de filmes sem astros na sua competição oficial, Cannes acaba voltando sua atenção para as mostras paralelas. A vinda de Jagger virou um acontecimento e tornou-se ainda mais disputado quando vazou a notícia de que Sean Penn, concorrendo como ator por "Fair game", não virá mais. Com isso, a Quinzena e a Semana da Crítica bombam.

Nesta quinta, a Semana da Crítica é que promete tumulto por conta da passagem de Kirsten Dunst e James Franco pela mostra. Kirsten vai exibir o curta "Bastard", já Franco vem com "The clerk's tale", filme de 13 minutos que ele dirigiu. Quem já viu o filme, aposta que a inclusão de Franco na disputa pelo Oscar de melhor curta-metragem é batata. Kirsten anda em alta em terras europeias desde que foi cotada para estrelar o novo longa de Lars Von Trier, “Melancholia”.


Fonte: O Globo/Blog do Bonequinho

Titãs vão tocar pela primeira vez no Rio com novo baterista

0 comentários

Os Titãs vão fazer sua primeira apresentação no Rio com o novo baterista, Mario Fabre, dia 28 de maio. Agora com Branco Mello (voz e baixo), Paulo Miklos (voz e guitarra), Sérgio Britto (voz, teclados e baixo) e Tony Bellotto (guitarra), além de Fabre, o show vai mostrar o CD novo da banda: “Sacos Plásticos”.

No setlist, além dos sucessos de outros álbuns, como "Televisão", "Go back" e "Diversão", a banda deve tocar "Porque eu sei que é amor", "Antes de você", "Sacos plásticos" e "A estrada” do novo disco.
Fabre foi indicado para o “cargo” pelo irmão do ex-bateria, Charles Gavin, e com o aval do próprio Gavin, que declarou considerá-lo "um excelente baterista" e responsável por tornar a ruptura "menos dolorosa".
O grupo encerrou a edição 2010 da Virada Cultural de São Paulo no domingo (16), tocando para uma Avenida São João repleta de pessoas.
Show Titãs no Rio de Janeiro
Quando: 28 de maio (sexta-feira)
Quanto: de R$ 50,00 a R$ 130,00 - com meia-entrada.
Onde: Citibank Hall/RJ - Av. Ayrton Senna, 3000 - Shopping Via Parque - Barra da Tijuca
Informações: 4003-5588 / www.citibankhall.com.br

Fonte: G1/Música

Zé Ramalho no ritmo de Jackson do Pandeiro

0 comentários
Depois de render tributos a Luiz Gonzaga, Bob Dylan e Raul Seixas, Zé Ramalho foca sua música nos forrós e cocos de Jackson do Pandeiro. O CD Zé Ramalho canta Jackson do Pandeiro sai pelo selo Discobertas, do jornalista Marcelo Fróes, com 12 faixas e muita festa.

O disco traz material gravado de 1994 até 2010, dividindo entre compilação de outros trabalhos e gravações inéditas. Dos melhores álbuns da safra de tributos de Zé Ramalho, o projeto funciona muito bem, mantendo unidade mesmo em gravações feitas em momentos diversos.

Conterrâneos do estado da Paraíba, os artistas juntam afinidades nesse álbum que tem tanto a marca de um quanto de outro. "Que alegria poder cristalizar meu conhecimento e admiração por Jackson através desse disco", declara em nota publicada no encarte. Zé Ramalho prova o conhecimento da obra e não se prende apenas aos sucessos, trazendo também músicas menos lembradas como Lá vai a boiada e Ele disse. Mas a tônica é de festa e da homenagem.

Tem o humor de Jackson em músicas como a clássica Cantiga do sapo, que Zé Ramalho improvisa um quase-rap ao sucesso do rei do ritmo. Passam diálogos com coro de crianças e até com o sapo. Ramalho relê sucessos como Cabeça feita e O canto da ema. Em um animado medley junta alguns dos maiores hits de Jackson como Sebastiana, Um a um e Chiclete bacana, que em seguida volta em uma segunda versão, faixa gravada para o CD do sanfoneiro Waldonys de 2003. Em Casaca de couro a participação é do mestre Sivuca, que assina arranjo, regência e ainda toca sanfona.

Se houve um esforço de trazer no encarte as datas das gravações e os créditos para músicos e técnicos, faltou registrar a origem das gravações. O canto da ema, por exemplo, fez parte do CD tributo João Batista do Vale, idealizado por Chico Buarque e produzido por José Milton para a BMG. De seu próprio CD Nação nordestina (2000), Zé Ramalho resgata a ótima Ele disse, que ousa e inclui trecho do discurso de Getúlio Vargas sobre o dia do trabalho. "O povo de quem fui escravo / Não será mais escravo de ninguém", diz a letra.

Na última década Zé Ramalho tem alternado álbuns autorais e releituras. São válidas e muito bem feitas, com muito critério e cuidado. Não soam banais, o mesmo cuidado que Zé Ramalho tem com sua obra mostra quando vai render essas homenagens.

Fonte: Ziriguidum


Lista das mais tocadas no Brasil consagra a canção simplória

0 comentários

Depois de uma rápida olhada na lista das músicas mais executadas nas rádios do país, a constatação é inevitável: o gosto popular se afastou completamente do que a MPB produz de mais interessante e sofisticado.

Uma relação que teve em outras épocas "Olhos nos Olhos", de Chico Buarque, ou "Bem que se Quis", de Marisa Monte, fica hoje limitada a canções comportadas, anódinas, simplórias.

Trata-se da lista considerada a mais confiável no gênero, feita pelo Ecad (Escritório Central de Arrecadação e Distribuição), que recolhe direitos autorais no Brasil. Engloba rádios AM e FM e abrange de janeiro a dezembro de 2009.

Entre as dez mais bem colocadas há apenas duas músicas de artistas estrangeiros, uma delas a campeã, "Halo", de Beyoncé. Com fenômeno de massa não se discute.

Outros 12 países também tiveram a música no topo das paradas. Pop eficientíssimo, de receita comprovada, feito para conquistar territórios sem se preocupar com as "vítimas".

A outra gringa da lista também segue uma cartilha redondinha: é "I'm Yours", de Jason Mraz, a bola da vez do surf pop, o estilo calminho e "pra cima" liderado por Jack Johnson.

Nas canções nativas, o sertanejo moderno predomina. Victor e Leo, puxados pela boa-pinta e por uma música na trilha de novela no ano anterior, emplacaram duas: a romântica "Borboletas" e a louvação à vida rural "Deus e Eu no Sertão".

Cheios de boas intenções, mas versos como "Foi tudo tão bonito, mas voou pro infinito/ Parecido com borboletas num jardim" entregam a escassez de recursos líricos.

Já João Bosco e Vinicius (nomes que involuntariamente evocam uma fase mais brilhante da MPB) são poeticamente tão "simples" que até uma vírgula falta no título da canção "Chora Me Liga".

Não se pode dizer que Nando Reis e Samuel Rosa não tenham os predicados para grandes composições. "Sutilmente", do Skank, é uma reserva de qualidade na lista.

Mas é triste que tanto ela como "Vem Andar Comigo", que é mais do mesmo Jota Quest, sinalizem um pop rock comportado, digerível. Onde estão as músicas dos grupos mais endeusados pela molecada?

NX Zero e Fresno fecharam o ano com milhares de fã-clubes, mas eles definitivamente não estão sentados esperando o rádio tocar. Devem estar espertos, baixando e trocando o que querem ouvir, na hora que bem entendem.

A chamada nova MPB, de Vanessas, Céus e Mallus, ganha comentários na mídia, mas nem sonha com um "top 10" assim. A lista é completada com gospel, pop rasteiro e trilha de luau que alguém pode até confundir com reggae de verdade.

A presença de Regis Danese se explica pela fé e só mesmo com muita fé para crer que "Faz um Milagre em Mim" mereça todo esse sucesso.

Já a bonitinha cantora pop Ornella de Santis teve ajuda do cantor Belo (a única e modestíssima menção ao samba) para transformar "Agenda" num hit "chiclete", à Latino.

E, para encerrar de forma sintomática este comentário, sobrou "Versos Simples", do Chimarruts, cujo título sintetiza e condena o atual estágio de nossa parada de sucessos.

Fonte: Folha Online/Ilustrada

terça-feira, 18 de maio de 2010

Liam Gallagher regravará músicas do Beatles para trilha sonora de filme sobre a banda

0 comentários

A nova banda de Liam Gallagher gravará a trilha sonora do filme dos Beatles no qual o músico está trabalhando.

O ex-vocalista do Oasis conseguiu os direitos das memórias de Richard DiLello, assessor de imprensa da gravadora Apple, que detalha os últimos anos da banda --entre 1967 e 1970-- e seu eventual fim.

Apesar de Gallagher poder usar as gravações originais dos Beatles para a trilha sonora do filme, ele decidiu regravar as faixas selecionadas com seus companheiros de banda.

Liam disse no festival de Cannes: "Minha nova banda fará a trilha sonora. Dessa forma poderemos recriar o som. Acho que será mais empolgante se você tiver um som que te lembra daquela época, em vez da óbvia 'Let It Be' e das outras coisas".

O roqueiro, apesar de empolgado com sua primeira investida no cinema, não tem planos de se transformar em um magnata da área e insiste que não atuará em seu próprio filme por ser "muito bonito".

Liam --que está realizando o projeto com sua nova empresa de produção In 1 e com o produtor Andrew Eaton, da Revolution Filmes-- disse: "vou fazer esse filme e será só isso. Não farei filmes sobre baleias ou sobrancelhas bagunçadas. Vou fazer isso porque eu gosto e por ter a oportunidade. Andrew fará dar certo e será isso".

No livro "The Longest Cocktail Party: An Insider's Diary Of The Beatles, Their Million Dollar Apple Empire And Its Wild Rise And Fall", DiLello dá sua versão dos fatos sobre o lado empresarial e pessoal que ocasionou o fim do grupo, trazendo histórias de "conversas sob o efeito de drogas" que aconteceram no bar de seu escritório. O filme irá cobrir os anos nos quais o rock deixou de ser livre para passar a ser controlado por corporações multinacionais.

Fonte: UOL Música

Bon Jovi vai selecionar bandas novatas para abrir shows em Londres

0 comentários

O Bon Jovi vai oferecer a bandas novatas do Reino Unido e Irlanda alguns minutos de fama: o grupo está à procura de novos talentos que possam abrir o seu show em Londres. Eles têm 12 datas agendadas na casa de shows O2 Arena para junho.

A banda de Jon Bon Jovi vai selecionar cinco novos artistas para a abertura dos shows dos dias 7, 8, 10, 11 e 13 do próximo mês. Os candidatos devem enviar material próprio até o dia 31 de maio no site OpenForBonJovi.com que serão julgados por especialistas da indústria e ganharão 500 dólares.

Um comunicado no site diz: "Se você tem uma banda à espera de uma chance, essa oportunidade é tão boa quanto isso. Estamos à procura de cinco novas e promissoras bandas para preencher as noites de abertura na O2 Arena. Faça upload de vídeos e conteúdo que provem que você é bom o suficiente para abrir para o Bon Jovi".

Em fevereiro deste ano, o Bon Jovi fez uma campanha para que os fãs de todo o mundo gravassem um vídeo cantando o sucesso "Livin' On A Prayer" e enviem para o site da banda. As melhores performances de cada cidade seriam apresentadas no telão enquanto eles estiverem tocando a música no palco.

A turnê de "The Circle" começou pela cidade havaiana Honolulu. A banda tem datas agendadas até o dia 26 de junho pelos Estados Unidos, Canadá e Reino Unido. Especula-se que o Bon Jovi deve vir ao Brasil no segundo semestre deste ano.


Fonte: UOL Música

Rolling Stones reeditam sua obra prima "Exile on Main Street"

0 comentários
Em um dos momentos mais turbulentos de sua agitada história, em meados de 1971 os Rolling Stones se refugiaram em uma casa do sul da França para criar sua obra prima, "Exile on Main Street", um álbum duplo que volta a ser publicado agora com dez músicas inéditas.

Os Stones tinham fugido do Reino Unido acossados pelo fisco e encontraram abrigo em "Nellcôte", uma vila alugada pelo guitarrista Keith Richards em Villefranche-sur-Mer (Costa Azul). Na época Richards passava por um de seus períodos de maior dependência da heroína.

Não eram as melhores condições para começar seu décimo álbum de estúdio, mas as canções adicionais incluídas na edição especial do disco, cuja versão remasterizada começa a ser vendida hoje, demonstravam a fecundidade daquelas sessões de gravação.

Músicas como "Pass the wine (Sophia Loren)", "Dancing in the light" e "Good time women" não destoam em nada com as 18 canções originalmente publicadas em "Exile on Main Street" de 1972.

Entre as dez canções novas, encontradas durante o processo de reedição do álbum, estão versões alternativas de "Soul survivor" e "Loving cup", incluídas na edição original do disco.

Mick Jagger chegou a opinar que talvez "Exile on Main Street" fosse supervalorizado, mas o disco mais longo da extensa carreira dos Stones é também o mais apreciado pela crítica e presença constante nas classificações dos melhores álbuns da história.

O sucesso do disco duplo foi imediato e o álbum estreou no topo das paradas, impulsionado pelo single "Tumbling dice".

A essência de "Exile on Main Street" foi destilada durante as longas noites em que os Stones passaram tocando no porão da casa francesa de Keith Richards, misturando rock com blues, country e gospel.

O produtor Jimmy Miller, que tinha trabalhado nos discos anteriores do grupo, acompanhou Jagger e Richards nestas sessões, ao lado do então segundo guitarrista do grupo, Mick Taylor, do bateirista Charlie Watts e do baixista Bill Wyman.

O baixista era o mais reticente de todos com aquele sistema de trabalho e, na realidade, participou só de algumas das sessões noturnas, às que se uniram o pianista Nicky Hopkins e o saxofonista Bobby Keys.

Após os dias na Costa Azul, "Exile in Main Street" foi finalizado em Los Angeles e Nova York, com Miller, Jagger, Richards e Don Was como produtores.

Quase três décadas depois do seu lançamento, o álbum mantém todo seu poder como crônica de um período tumultuado, o que separou as décadas de 1960 e 1970.

O disco segue oferecendo, além disso, a leitura do diário de um grupo de músicos que tratava de resistir ao temporal que arrasava suas vidas nesse momento agarrando-se no mastro do rock and roll.

A publicação desta reedição coincide com a estreia de um documentário que reconstrói a gravação do álbum lendário e que Mick Jagger deve apresentar esta semana no Festival de Cannes.


Fonte: UOL Música

Diga "o que você faria para conhecer Demi Lovato" e concorra a um encontro com a cantora

0 comentários

O UOL e a gravadora Universal oferecem aos fãs de Demi Lovato a chance de conhecerem a cantora pessoalmente no Brasil. Lovato faz dois shows no país no final de maio.

Para participar, o internauta deve responder em até 140 caracteres  a pergunta: "O que você faria para conhecer a Demi Lovato?".  Mande a sua resposta e concorra.

A promoção termina às 20h do dia 25 de maio e o resultado será divulgado no dia 26 de maio, a partir das 19h, em nota em UOL Música.

Serão escolhidos quatro vencedores, cuja premiação será a seguinte:

a) 1º e 2º colocado: (i) 01 (um) par de ingressos para cada um para assistir ao show da cantora Demi Lovato, no HSBC Arena, localizado na Avenida Embaixador Abelardo Bueno, 3401, Rio de Janeiro/RJ, no dia 27 de maio de 2010; (ii) encontro com a cantora no camarim ao término do referido show; (iii) uma unidade da nova edição especial do CD+DVD de ?Here We Go Again? da cantora Demi Lovato, cada um.

b) 3º e 4º colocados: (i) 01 (um) par de ingressos para cada um para assistir ao show da cantora Demi Lovato, no Via Funchal, localizado na Rua Funchal, 65, em São Paulo/SP, no dia 28 de maio de 2010; (ii) encontro com a cantora no camarim ao término do referido show; (iii) uma unidade da nova edição especial do CD+DVD de ?Here We Go Again? da cantora Demi Lovato, cada um.

O UOL não arcará com eventuais despesas com transporte e estadia dos vencedores

Clique para ler o Regulamento da Promoção do UOL

segunda-feira, 17 de maio de 2010

Christina Aguilera nega rivalidade com Lady Gaga: "há espaço para todos"

0 comentários
Após o cantor Akon afirmar que a atual fase da carreira de Christina Aguilera é uma cópia descarada do estilo de Lady Gaga, rumores a respeito da rivalidade entre as cantoras não pararam de surgir.

Em seu site oficial, Christina Aguilera resolveu dar a sua versão da história:

"É muito fácil as pessoas fazerem comentários completamente fora de contexto para criar um drama fictício entre duas mulheres. Então eu gostaria de dizer, de maneira clara, que não tenho nada contra Lady Gaga ou qualquer outra mulher do showbusiness."

"Eu acho que ela é ótima, e eu admiro qualquer mulher que seja corajosa o suficiente para desafiar convenções. Ela batalhou muito para chegar onde está e merece o meu respeito. Existe espaço para todas nós nos iPods dos fãs", escreveu Aguilera, com muita diplomacia.

Então devemos esquecer que Aguilera já disse de Gaga coisas como: "Reparei nessa pessoa não faz muito tempo. Não estou muito certa de quem essa pessoa é, pra ser sincera não sei se é homem ou mulher. Não tinha certeza. Realmente não fico muito na internet, então estou meio por fora quanto a isso."

Fonte: Vírgula

Lily Allen diz que ficará longe da música por 5 anos

0 comentários
Segundo a revista Hello, a cantora Lily Allen ficará "somente" cinco anos fora da música. De acordo com a publicação, Lily pretende começar uma família com o namorado Sam Cooper no ano que vem.

A informação alimenta os boatos dos tablóides da Inglaterra, que afirmam que a polêmica cantora já estaria grávida, coisa que Lily Allen insiste em negar pelo seu twitter.

Não é a primeira vez que a cantora declara intenção de se aposentar. Na primeira vez em que anunciou isso, Allen disse que estava descontente com a indústria musical. Resta saber se, depois de tantas declarações, essa história de "dar um tempo" vai mesmo rolar. Enquanto isso, os fãs ficam cada vez mais confusos.

Fonte: Vírgula

Justin Bieber continua na liderança das 10 mais tocadas do Brasil

0 comentários
O novo fenômeno do pop Justin Bieber continua no topo das paradas nacionais. Sua parceria com Ludacris, Baby, continua na primeira posição das paradas. Rihanna sobe nas paradas e vai para o segundo lugar com o hit Rude Boy. O Skank  cai das paradas e vai para a terceira posição do ranking com o sucesso Noites de um Verão Qualquer.

Veja o restante das 10 mais ouvidas da Hot 100 Brasil:

1. Justin Bieber ft. Ludacris
Baby

2. Rihanna
Rude Boy

3. Skank
Noites de um Verão Qualquer

4. Ao Vivo e em Cores
Victor & Leo

5. Restart
Levo Comigo

6. Bruno & Marrone
Pode ir Embora

7. João Bosco & Vinicius
Sem esse Coração

8. Edward Maya ft. Vika Jigulina or Alicia
Stereo Love

9. Pitty
Fracasso

10. Eduardo Costa
Amores Imortais

Fonte: Vírgula

Banda distribui ‘pílulas de música’

0 comentários

Para evitar que suas composições sejam baixadas via internet, banda colocou músicas em pen drive com formato de remédio e encarte imitando bula.

Pirataria e oferta de material gratuito na internet levaram a indústria fonográfica a passar por uma crise. Para reverter a situação, um pouco de criatividade pode ser bem útil.



Foi o que percebeu uma banda chamada Marrow, que ao invés de vender CDs, decidiu vender ‘pílulas de música’. Em parceria com o estúdio de design Bliss Ignorance, eles criaram um pen drive em formato de remédio.



Segundo o LSN Global, site da Agência Voltage, em parceria com The Future Laboratory, a ideia foi colocar as oito faixas da banda dentro do gadget especial. O álbum, batizado de ‘Sunshine Enema’, ainda vem com um encarte em formato de bula, ‘ensinando’ os melhores momentos da vida para ouvir cada uma das composições.

Martin Scorsese termina documentário sobre George Harrison

0 comentários
O diretor Martin Scorsese já encerrou a preparação do documentário sobre George Harrison, que realiza em colaboração com a viúva do beatle, Olivia Harrison.

"Living in the material world: George Harrison" ("vivendo no mundo material", em tradução livre) é o título do documentário, que mostrará imagens inéditas sobre a vida do guitarrista e de sua mulher da época dos Beatles até sua morte, em 2001, como informa a edição especial da revista "Variety" para Cannes.

Scorsese, que está em Cannes para promover o documentário, explicou que é uma experiência libertadora estar envolvido num projeto de não-ficção.

"De certa forma, me liberta das restrições de um longa-metragem. Tenho liberdade narrativa", afirmou Scorsese.

O documentário será mais um de Scorsese sobre música. O diretor já rodou "The Last Waltz" (1978), sobre um show do grupo The Band; "Shine a light" (2008), sobre os Rolling Stones, e "No direction home: Bob Dylan" (2005).

Fonte: UOL Música

sexta-feira, 14 de maio de 2010

Filhos de Michael Jackson causam sensação na internet

0 comentários
Após serem ferrenhamente protegidos das câmeras durante anos por seu pai, os filhos de Michael Jackson causam sensação em vídeos caseiros publicados na internet.

Vídeos de Paris, de 12 anos, e Blanket, de 8, foram publicados na quarta-feira no Youtube, ainda que não se saiba quem colocou as imagens no site. O terceiro filho do cantor, Prince Michael, não aparece nas gravações.

Em um dos vídeos aparece a filha de Jackson, Paris, olhando para a câmera e pedindo "Macaco, por favor, ajude".

Em outra das gravações, o mais novo dos três irmãos, Blanket, faz de conta que é um dos personagens de "Star Wars", com um sabre de luz imaginário, enquanto brinca com seu primo Donte.

Os filhos de Michael Jackson vivem com a avó Katherine no subúrbio de Los Angeles, em Encino.

Desde a última entrega dos Prêmios Grammy, quando subiram ao palco para receber um prêmio em homenagem ao seu pai, os filhos do rei do pop não fizeram nenhuma outra aparição pública.

Michael Jackson morreu aos 50 anos no dia 25 de junho de 2009 em Los Angeles vítima de uma parada cardíaca, após uma overdose de analgésicos quando se preparava para retomar sua carreira artística com uma série de shows em Londres.

Fonte: Contigo

O buchicho sobre Los Hermanos

0 comentários
A pergunta que mais tenho ouvido desde ontem, na padaria, no twitter, aqui no blog e em todo lugar é “Bruno, verdade que o Los Hermanos vai voltar?”. Pois, a questão que pode soar um tanto deslocada para quem não tomou ainda conhecimento do buchicho que ecoa por aí, e que permanecia adormecida desde os shows de março do ano passado, voltou. Muito por conta de uma entrevista recentemente concedida à Revista Trip pelo Marcelo, em que ele menciona duas apresentações da banda agendadas para o próximo semestre. Bom, antes de tentar elucidar a questão, permitam-me cometer aqui o impropério da autoreferência, a partir  de um trecho extraído de meu primeiro post nesse blog, há exatos 3 anos:

“A banda não acabou. Embora pareça claro, também não posso deixar de perceber como assusta outra palavra que usamos na nota divulgada em nosso site: “indeterminado”. Não é infinito, é indeterminado.”

Só me cabe, então, achar graça das tantas vezes que nos “mataram” durante esse tempo, talvez pela incapacidade de distinguir o significado da frase acima. Posto isso, não sei como responder à pergunta que me fazem sem parar; porque “voltar” não é o que melhor descreve o que está para acontecer, muito embora, sob determinado ponto de vista, também não deixe de estar certo.

O que posso lhes dizer é que recebemos, sim, propostas para shows em duas cidades pelas quais temos enorme apreço, Recife e Salvador. Ao que me consta não está nada acertado ainda, mas o desejo da banda é, definitivamente, que se concretizem. Solicitamos apenas que as apresentações ocorressem em espaços menores do que de costume, em teatros quem sabe, porque consideramos esses nossos lugares preferidos para tocar, por serem mais adequados no que se refere à acústica. E pronto, isso é tudo que sei até o momento.

Assim que houver novidades, terei prazer em atualizá-los.

Fonte: Instante Posterior/G1

Kylie Minogue divulga tracklist de novo álbum, Aphrodite; ouça o primeiro single!

0 comentários
A cantora Kylie Minogue divulgou a relação de faixas de seu novo álbum, Aphrodite, que conta com a participação de artistas como Calvin Harris, o compositor e produtor Richard X e Jake Shears, do Scissor Sisters.

Antes do lançamento, previsto para 5 de julho, a cantora irá colocar no mercado o primeiro single do trabalho, intitulado All The Lovers. O single estará disponível a partir do dia 13 de junho em formato digital.

Fonte: Virgula

Gilberto Gil mostra faixas de seu novo CD, inspirado nas festas juninas

0 comentários


A empolgação com que Gilberto Gil fala de suas novas composições não deixa dúvida. Dez meses após sair do governo, o ex-ministro da Cultura voltou integralmente à música. Em seu bunker no Alto da Gávea - uma ampla casa que abriga o escritório da Gegê Produções, empresa que administra sua carreira, comandada pela mulher, Flora Gil, e seu estúdio de gravação -, mostra algumas faixas de "Fé na festa", CD que atualiza a sua primeira paixão na música, os ritmos nordestinos que animam as festas juninas.

- Essa é uma associação maravilhosa, uma festa que se desenvolveu na intersecção do sagrado e do profano. A festa com seu sentido pagão absoluto, lúdico, sensual, comidas, dança, sexo, namoro, paquera... E a devoção a São João - explica.


Continue lendo matéria de O Globo Online e ouça trechos do novo disco

Músico da banda Tokio Hotel sofre overdose de Viagra

0 comentários

Tom Kaulitz, membro do grupo alemão Tokio Hotel, sofreu durante dois dias as consequências da ingestão de uma overdose de viagra durante sua estadia em Taiwan, durante turnê do conjunto pela Ásia.

O próprio Kaulitz, de 20 anos, revelou ao jornal "Bild" que tomou as pastilhas que elevam a potência sexual antes de uma festa com várias fãs em um hotel da capital taiuanesa.

"Um vendedor me convenceu em um mercadinho noturno a comprar as pílulas azuis", confessa o músico, que, segundo conta, tomou uma imediatamente.

"Voltando ao hotel, acompanhado de mulheres, tomei outras duas", disse. "Certamente (foram) muitas. No dia seguinte minha cabeça parecia um tambor, e minha visão estava confusa", disse Kaulitz, que se sentiu durante dois dias os efeitos das pílulas.

Seu irmão, o vocalista da banda, Bill Kaulitz, disse ao mesmo jornal que "ele não precisa tomar essas porcarias. Passa o dia de permanentemente excitado".

Fonte: Folha Online Ilustrada

quinta-feira, 13 de maio de 2010

Disco novo dos Rolling Stones depende de Mick Jagger, diz Keith Richards

0 comentários

O guitarrista Keith Richards revelou que a banda Rolling Stones está próxima de se reunir para gravar um disco novo, desde que o cantor Mick Jagger esteja de acordo.

"Vou me encontrar com Mick na semana que vem ou algo assim. Vou tentar conseguir alguma informação dele", disse Richards sobre os planos do companheiro de banda. "Espero descobrir algo logo."

"É necessário que todos queiram fazer isso", afirmou o guitarrista sobre a ideia de um disco novo. "Então eu normalmente espero por um telefonema de Mick dizendo 'vamos fazer algo', pois sem a vontade dele não há muito sentido. Mas eu estou sempre trabalhando, tendo ideias, mas ainda não as mostrei para Mick."

Apesar de desejar voltar ao estúdio com os companheiros, Richards acha que os Stones não estão prontos para sair em turnê neste ano.

Quando questionado se há planos para uma turnê nova, o guitarrista afirmou ao DJ Ben Jones, da rádio britânica Absolute Rádio: "Sim, mas não este ano, não que eu saiba. A ideia é ter um disco novo em vez de excursionar."

Richards reconhece que os Rolling Stones ficaram conhecidos pela "perversão" e "drogas", mas insiste em afirmar que essas coisas sempre ficaram em segundo plano no estúdio.

"A perversão e as drogas sempre ficam bastante periféricas quando fazemos um disco. Elas estão lá, nos rodeando, mas honestamente não posso compor e gravar um disco e farrear ao mesmo tempo. Nem mesmo eu", disse o músico.

Fonte: UOL Música

quarta-feira, 12 de maio de 2010

Gravação de John Lennon dizendo que Beatles era "mais popular que Jesus" vai à leilão por US$ 20 mil

0 comentários

A única gravação conhecida de uma entrevista coletiva dos Beatles em 1966, em que John Lennon é pressionado a dizer se a banda era mais popular que Jesus, deve ser vendida por cerca de 20 mil dólares em um leilão em junho. A casa Bonhams & Butterfields disse que os 14 minutos da fita foi a única gravação sobrevivente da coletiva de imprensa de 17 agosto de 1966 dada pelos quatro no King Edward Hotel, em Toronto, no Canadá.

A gravação inclui John Lennon e Paul McCartney brincando sobre quanto tempo os Beatles ficariam juntos. "Nós, obviamente, não vamos andar por aí de mãos dadas para sempre", diz Lennon. McCartney acrescenta: "...seria um pouco, você sabe, vergonhoso aos 35 (anos)". Bonhams disse a jornalistas ter muitas dúvidas sobre a controversa declaração de Lenon sobre "Jesus" meses antes.

A coletiva de imprensa foi bem noticiada pela imprensa, mas não há gravações de imagem ou de áudio conhecidos. "Nós sabemos o que eles disseram naquele dia. Acabamos nunca ouvindo", disse à Reuters Margaret Barrett, diretor da Bonhams & Butterfields.

Ela disse que as fitas foram gravadas por um fotógrafo jovem e fã dos Beatles, que participou da coletiva de imprensa. "Ele tentou vendê-las em 1966, mas ninguém pensou que eram importantes", disse Barrett.

As duas bobinas ficaram em uma gaveta durante 40 anos e agora têm um preço estimado de 20 mil a 25 mil dólares e estão entre os itens mais caros de um leilão a ser realizado em 13 de junho em Los Angeles.

Michael Sullivan reedita sua "música do milhão"

0 comentários

Quase ninguém conhece a voz do pernambucano Ivanilton de Souza Lima, 60. Mas qualquer brasileiro acima de 25 anos sabe cantar, de cor, ao menos uma dezena das músicas criadas por ele, sempre sob o codinome Michael Sullivan.


Parcerias do compositor com Paulo Massadas criadas nos anos 80, canções como "Um Dia de Domingo", "Me Dê Motivo" e outras tantas alcançaram os primeiros lugares nas paradas.

E levaram às alturas as vendas dos respectivos intérpretes, vozes tão díspares quanto as de Tim Maia e Xuxa, Gal Costa, Alcione e Roberto Carlos.

"Só não vou dizer que éramos Lennon & McCartney porque seria heresia", diz Sullivan. "O mais adequado seria chamar a dupla de Black & Decker."

Era isso mesmo: música produzida em escala industrial. Sullivan conta que compôs algumas em menos de meia hora.

"Os artistas cantavam a música da moda sem medo de serem felizes", diz. "Todo mundo vendeu 1 milhão. É o clube do milhão, a música do milhão."

Fagner, que lançou "Deslizes" em 1988, diz que, de cara, achou a canção "inadequada" ao repertório que estava acostumado a cantar. "Eu era puro demais naquela época", diz.

Mas gravou a música, sem compromisso de incluí-la no disco. Quando voltou ao estúdio, no dia seguinte, se deparou com o argumento irrefutável: as faxineiras já sabiam cantar de cor. "Não me achei no direito de não seguir com aquilo. E ela, depois, abriu o leque do meu repertório para canções como 'Borbulhas de Amor'."

Se essa comunicação imediata com as classes mais populares já gerava críticas ferrenhas àquele repertório nos anos 80, o cerco se fechou ainda mais a partir da década seguinte.

Sandra de Sá e Fafá de Belém, intérpretes constantes de Sullivan (mesmo depois do término da parceria com Massadas, em 1994), sentiram o preconceito.

"Quando gravei 'Abandonada', me chamaram de tudo. Porque bateu na rádio e explodiu", diz Fafá. Sandra emenda: "E isso rola até hoje. As músicas dele que lancei só viraram bonitas pra galera depois que cantores 'chiques' regravaram".

Sullivan diz ter saudades de quando as rádios não eram segmentadas e podia-se ouvir, na sequência, uma música dele e uma de Chico Buarque.

"Essa segmentação só vai separar mais as pessoas", diz. "Vai ficar impossível fazer de novo uma história que abranja todas as classes da sociedade, uma música que a patroa ouça com a empregada."


terça-feira, 11 de maio de 2010

Herbie Hancock comemora 70 anos com disco cheio de participações

0 comentários
Elton John, Pink, Seal e Juanes tocam em 'The imagine letters'.
Cantando em português, brasileira Céu colabora com 'O tempo de amor'.
O pianista e músico de jazz americano Herbie Hancock comemora seu 70º aniversário com "The imagine letters", um álbum e um documentário que serão publicados no dia 21 de junho e no qual colaboraram, entre outros, Elton John, Pink, Seal e Juanes, informou hoje a Sony.

A lista de artistas e canções de "The imagine letters" (Sony Music) será finalizada essa semana. Por enquanto já está definida a colaboração dos cantores Elton John e India Arieh em "Imagine", Seal e Pink em "Don't give up" e a banda irlandesa The Chieftains, o guitarrista africano Lionel Loueke e a cantora irlandesa Lisa Hannigan em "The times they are a changin".

O álbum guarda outras surpresas como "O tempo de amor", tema no qual colabora a cantora Céu, "Tamatant tilay" com o grupo tuaregue Tinariwen e Damian Marley, filho de Bob Marley; a música "Minha terra", em que Juanes canta, e "A Change is Gonna Come", com o jovem cantor inglês James Morrison.

Um documentário gravado nas sessões de estúdio de Herbie Hancock com os artistas e os músicos que participaram do disco completa o projeto

Turnê
Depois da publicação do álbum, Hancock deve ir à Europa para oferecer 25 concertos em uma viagem que, no entanto, começa e termina nos Estados Unidos com um show no dia 24 de junho no Carnegie Hall de Nova York e no dia 1 de setembro no Hollywood Bowl de Los Angeles.

Com "The imagine letters", Hancock celebra toda vida dedicada ao jazz desde que se apresentou no palco com 11 anos tocando um concerto para piano de Mozart com a Chicago Symphony Orchestra.

Em sua carreira solo ele colaborou com artistas como Chick Corea, Oscar Peterson, Stevie Wonder, Sting, Annie Lennox e Paul Simon.

O músico americano, ícone do jazz, foi agraciado com um Oscar em 1986 pela música do filme "Por volta da meia-noite" (1986) e seis Grammys.

Fonte: G1 Música

Skank vai gravar DVD ao vivo no Estádio do Mineirão com entrada gratuita

0 comentários
O Skank vai gravar um novo DVD durante o show que está marcado para o dia 19 de junho no Estádio do Mineirão, em Belo Horizonte. O trabalho "Skank Mineirão ao Vivo" será lançado também em CD e Blu Ray e está previsto para sair no segundo semestre.

Não serão vendidos ingressos para a apresentação. As entradas serão distribuídas através de ações sociais e promoções de empresas patrocinadoras. Mais informações sobre os bilhetes estarão no site oficial da banda.
São esperadas 30 mil pessoas para a gravação do sucessor de "Estandarte", que saiu em 2008. O show do Skank será o último evento que o Mineirão vai receber antes de fechar para as reformas da Copa do Mundo de 2014.

O repertório não foi revelado, mas a banda montou uma enquete para os fãs ajudarem a escolher as músicas que serão tocadas nos próximos shows. Da seleção de 32 faixas de toda a carreira, as 20 mais votadas serão incluídas no roteiro ao vivo (não necessariamente todas em um mesmo show). A enquete fica disponível até o dia 16 de maio.

"Skank Mineirão ao Vivo" sairá pela Sony Music em parceria com o canal Multishow. Em 2001, o Skank lançou "MTV ao Vivo em Ouro Preto".

Honras ao rei Marley

0 comentários
Pintura em homenagem ao músico Bob Marley enfeita muro na "Rasta Village" em Abidjan, na Costa do Marfim.

Green Day confirma shows no Rio, São Paulo, Brasília e Porto Alegre

0 comentários
O que era especulação confirmou-se: uma das bandas mais cotadas para se apresentar por aqui no segundo semestre, o Green Day volta ao Brasil depois de 12 anos para fazer quatro shows. O trio americano vai se apresentar em Porto Alegre, no dia 13 de outubro, no Rio no dia 15, em Brasília no dia 17 e fecha a turnê tupiniquim no dia 20 de outubro, em São Paulo. As datas foram divulgadas no site oficial  da banda.

No Rio de Janeiro, o show vai acontecer no HSBC Arena e o preço dos ingressos varia de R$ 100 a R$ 300, com meia entrada. As vendas começam no dia 29 de maio. Em São Paulo, a banda se apresentará na Arena Anhembi com dois preços: R$ 180 e R$ 250. Os ingressos começam a ser vendidos no dia 25 de maio pelo site Livepass. As informações sobre os shows de Porto Alegre e Brasília ainda não foram divulgadas pela produção do Green Day no Brasil.

Comandada por Billie Joe Armstrong, a banda de hardcore se apresentou no Brasil pela primeira e única vez em 1998, durante a turnê do álbum "Nimrod". Atualmente, o Green Day está excursionando pela Europa para divulgar seu último lançamento, "21st century breakdown". O espetáculo musical baseado na ópera rock da banda, "American idiot", lançada em 2004, está em cartaz na Broadway e concorre ao importante prêmio Tony.

Fonte: O Globo

segunda-feira, 10 de maio de 2010

Cantora Katy Perry é eleita a mais sexy por leitores de revista

0 comentários
A cantora Katy Perry, autora dos hits "I Kissed a Girl" e "Hot N Cold", foi eleita a mulher mais sexy de 2010 por leitores da revista americana "Maxim".

No ano passado, o primeiro lugar da lista ficou para a atriz Olivia Wilde. A atriz Megan Fox, que no ano passado figurava na segunda posição, desta vez caiu para a quinta.

Já a modelo brasileira brasileira Adriana Lima, que ocupava a sétima posição, não aparece entre as dez primeiras. Outra modelo brasileira --Alessandra Ambrósio-- apareceu na lista, ainda que em 63º lugar.

Veja quais foram as 10 primeiras colocadas da lista da "Maxim".

1. Katy Perry
2. Brooklyn Decker
3. Zoe Saldana
4. Blake Lively
5. Megan Fox
6. Rihanna
7. Elisabetta Canalis
8. Olivia Munn
9. Kim Kardashian
10. Marisa Miller

Fonte: Folha Online

Cinquenta anos de um rockstar chamado Bono

0 comentários
Cinco décadas de vida, mais de trinta de U2 e uma luta constante pela desigualdade e injustiça social no mundo. Esse é Paul David Hewson, conhecido no começo da carreira como Bono Vox e hoje, apenas como Bono, não se destaca apenas por ser o vocalista de uma das bandas mais importantes do mundo.

Seu papel como rockstar vai além dos palcos gigantescos e tecnológicos do U2 e o diferencia dos outros nomes do rock n’ roll. “Como um astro do rock, tenho dois instintos: quero me divertir e quero mudar o mundo. Tenho a chance de fazer ambos”, frase de Bono. Mas, para alguns, seu lema irrita e o intitula como o chato-político.

Até seu cargo no U2 correu risco de perder anos atrás. No fim de 2005, revelou em entrevista a BBC de Londres que quase foi expulso da banda por conta de usar tanto o microfone para lutar pelas causas que defende.

“Houve um momento que eu tive medo de ser botado para fora do U2 por ser chato de mais. Essa coisa contra a fome pode cansar. E a primeira função de uma banda de rock é ela não ser chata”.

Em 1985, Bono foi um dos artistas mais ativos do ‘Live Aid’ – evento organizado por Bob Geldof com o objetivo de arrecadar fundos em prol dos famintos da Etiópia - a partir desse festival, começou a abraçar causas de desigualdade e injustiça social.

No começo dos anos 2000, ajudou a fundar a ‘DATA’ que trabalha com grupos religiosos em questões como doenças globais e fome. A ‘RED’ também foi criada por Bono e já ajudou milhões de mulheres grávidas na África, mulheres que se submetem a tratamento para prevenir a transmissão do vírus HIV para seus bebês.

Bem o mal visto por pregar o lema “salvar o mundo”, Bono é um artista com rara capacidade de ter o controle total de sua platéia, seja em um pequeno teatro, ou num grande estádio, como o de Wembley, onde quebrou com 88 mil pessoas, o recorde de público  local, no ano passado. Apesar da alta tecnologia utilizada pela banda há muitos anos em suas performances, o que faz a diferença é o cara que comanda a festa.

Fato é, assinando Vox ou não, sendo visto como o chato político ou apenas como o Bono cinquentão, vocal da banda que com mais três caras arrebenta no palco, vale a pena pegar qualquer disco da sua carreira e colocar para tocar; e tocar alto. Afinal, U2 com qualquer Bono é para ouvir, ver e ver de novo, e ouvir outra vez...

Fonte: Território Eldorado. Continue lendo reportagem e ouça grandes hits de Bono

Aos 60 anos, o guitarrista Peter Frampton renova sua carreira

0 comentários
Em 1976, “Frampton Comes Alive!” se tornou um disco fenômeno que passou 10 semanas no primeiro lugar da parada Billboard e vendeu mais de 16 milhões de cópias em todo o mundo. Foi o suficiente para um jovem e charmoso guitarrista virar referência e mudar os rumos da indústria fonográfica, pois um disco duplo, ao vivo, de um artista quase desconhecido, era improvável de se tornar um sucesso. Filho de um professor de arte da Bromley Technical School, em Beckenham, Inglaterra – onde foi colega de classe de David Bowie – depois de descobrir um banjo aos 7 anos, Peter Frampton, aos 10, já tocava em uma banda chamada The Ravens, muitas vezes dividindo o palco com George & The Dragos de David Bowie. A partir daí, Frampton passou por dezenas de grupos, entre eles The Trubeats, The Preachers – que foram produzidos e empresariados pelo baixista dos Rolling Stones, Bill Wyman – e, quando tinha 16 anos, The Herd, o primeiro a fazer um relativo sucesso; em 1969 se uniu a Steve Marriott, dos Small Faces, em uma nova banda, chamada Humble Pie; surgia uma proposta inovadora de fazer um hard rock psicodélico, com base de blues. Peter também tocou no célebre “All Things Must Pass” (1970) de George Harrison; permaneceu no Humble Pie até 1971, quando foi para a carreira solo. De repente, o disco “Frampton Comes Alive!” o transformou em super astro instantâneo; as pressões e a grana fácil o levaram a decisões que arruinaram sua credibilidade – posando sem camisa para a capa da revista “Rolling Stone”, estrelando na pouco recomendada adaptação cinematográfica de “Sgt. Pepper’s Lonely Hearts Club Band” (1978) dos Beatles e dando uma guinada pop com o single “I’m in You”. A imperdoável indústria pop estigmatizou o guitarrista e os fãs não perdoaram; o declínio comercial de Frampton foi rápido, mas apesar do ostracismo que se seguiu, ele reconstruiu sua reputação artística concentrando-se em sua guitarra, incluindo uma passagem pela banda do velho amigo Bowie em “Never Let Me Down” (1987) e participando da turnê “Glass Spider”; uma reunião, em 1991, com Marriott, dos tempos do Humble Pie e turnês com os Rhythm Kings de Bill Wyman e com a All-Starr Band de Ringo Starr, o transformaram em “cult” novamente, algo raro para quem chegou a ser um popstar de massa.

Peter continuou lançando álbuns solo até o sucesso de “Fingerprints”, seu primeiro trabalho totalmente instrumental, em 2006, que rendeu seu primeiro Prêmio Grammy –melhor álbum pop instrumental – e obteve mais atenção do que o roqueiro veterano vinha desfrutando no últimos tempos de sua longa carreira. Agora, pela primeira vez em muito tempo, Peter Frampton lança um álbum com as badalações merecidas: “Este é o primeiro álbum que aguardo com tanta expectativa”, comenta Frampton, aos 60 anos completados em abril. “Eu acho que estou mais ciente do mundo e da minha posição nele, o que posso e o que não posso fazer. Eu acho que, musicalmente, eu estou apenas experimentando. Minha meta é sempre acordar hoje e compor algo que não poderia ter feito ontem. Esta sempre será minha meta.”, declarou em entrevista ao New York Times. Com a boa aceitação de seu disco anterior, pensou em continuar no caminho instrumental, mas optou por retornar à música cantada, por isso “Thank You Mr. Churchill” foi um desafio. Numa revisão positiva do passado, chamou para compor seu velho colaborador Gordon Kennedy e o produtor Chris Kimsey, que foi o engenheiro do primeiro álbum solo, “Wind of Change” (1972) e que, modernamente, Frampton reencontrou via Facebook. Entre os músicos convidados estão o baterista do Pearl Jam, Matt Cameron, membros dos Funk Brothers, grupo da Motown, na faixa “Invisible Man” e seu filho Julian, em “Road to the Sun”. Esse passado ainda é reforçado na natureza autobiográfica de algumas letras, como a faixa título, em que agradece ao primeiro-ministro da Inglaterra dos tempos de guerra, Winston Churchill, pela liderança que trouxe o seu pai de volta da Segunda Guerra Mundial, em segurança.

Continue lendo o Blog do Maia e ouça sucessos de Frampton